Alunos são selecionados para o Programa de Bolsas Ibero-Americanas

Alunos são selecionados para o Programa de Bolsas Ibero-Americanas

O Santander Universidades aprovou as documentações dos alunos Lucas de Oliveira Leme e Lucas Costa Silva, selecionados para o Programa Santander de Bolsas Ibero-Americanas 2019. Com isso, os estudantes, que na segunda-feira (26 de agosto) assinaram o Termo de Adesão, poderão cursar até um semestre letivo no exterior em uma das mil instituições de ensino credenciadas ao Santander Universidades em um dos nove países da região da Ibero-América: Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, México, Peru, Porto Rico, Portugal e Uruguai. Cada aluno receberá uma bolsa de 3 mil euros (na cotação do valor de venda da moeda europeia de 26 de outubro de 2018, quando o programa foi lançado).

“Nosso objetivo é propiciar ao aluno esse intercâmbio de cultura, de poder vivenciar a prática profissional em outros países, outros mercados, para que ele possa trazer isso como bagagem profissional e que isso possa ser um diferencial na sua formação”, diz o professor Vinícius Bastelli, assessor de projetos, responsável pelo PROIDEIA e selecionador dos programas de bolsas universitárias do Santander Universidades dentro da UniFAJ, FAAGROH e UniMAX. As Instituições, com o apoio do braço educacional do Banco Santander, trabalham para fomentar a mobilidade internacional, facilitar o acesso à Universidade, promover a investigação e a formação especializada através dos Programas Ibero-Americanas e Santander Graduação, cujos períodos de inscrições ocorrem entre os meses de fevereiro e agosto de cada ano e os selecionados – para a mobilidade internacional – têm o prazo de um ano para viajar. Portanto, quem ganhou a bolsa agora em 2019 tem até 30 de dezembro de 2020 para voltar ao Brasil.

Os principais requisitos para concorrer são história de vida do aluno, rendimento acadêmico e condição sócio-econômica. “O propósito é premiar o aluno que tem um ótimo desempenho acadêmico, que tem o melhor Coeficiente de Rendimento, que é a média de todas as médias das disciplinas cursadas”, informa Bastelli. O professor explica que, depois de uma classificação, eles (alunos) são convocados para uma etapa de entrevistas, quando é avaliado o mérito desse aluno, qual a história de vida: como ele chegou à faculdade, como se deu a escolha do curso. “E é essa história de vida que vai ser computada nessa análise desse aluno para entender quais são os méritos que justificam a nossa escolha, pois todos os selecionados têm ótimas notas”, aponta o docente.

Bastelli ainda acrescenta que são selecionados alunos que já cumpriram pelo menos 40% do currículo acadêmico ou até 70%. “Normalmente o aluno escolhido estuda no período noturno, que trabalha o dia inteiro e à noite vem para a faculdade, e isso prova que os alunos que se dedicam aos estudos, mesmo os que trabalham, conseguem notas altas se otimizarem seu tempo dentro e fora da universidade. Portanto, esse aluno que tem boas notas e que talvez não tenha uma condição financeira favorável para fazer uma experiência internacional, é o aluno que o Santander Universidades quer”, pontua o responsável pelo PROIDEIA.

Para os escolhidos, depois de muita ansiedade, o momento é de expectativa. “Fiz a inscrição no começo de junho. Até a data da entrevista estava tranquilo, depois foi de muita ansiedade”, revela Lucas de Oliveira Leme. Agora o estudante já projeta a viagem que pretende fazer em 2020. “Minha ideia é fazer cursos de extensão de mais ou menos um mês cada. Em janeiro, vou para a Argentina trabalhar com criação de gado e nas férias de junho vou para a Colômbia conhecer a produção de café”, conta o estudante, que garante ser muito importante o programa, pois mesmo antes de se formar vai ter uma experiência profissional fora do país. “Além disso, os coordenadores sempre incentivam a gente e nos apoiam para fazer as decisões corretas e para onde devemos ir”, declara.

“Muita ansiedade e nervosismo, principalmente no dia da entrevista. E agora gratidão e expectativa”. Assim descreve todo o processo o aluno Lucas Costa Silva, do 6º semestre de Engenharia de Produção. Ela informa que pretende ficar 6 meses em Portugal, na Universidade do Porto. “Pretendo ter uma visão diferente de mundo, pois nunca saí do Brasil. Ter contato com outra cultura, fazer turismo, quero viajar bastante lá. Agradeço muito a UniFAJ por proporcionar isso para a gente; quero representar bem a UniFAJ”, fala.